O Homem dos Sapatos Dourados

O Homem dos Sapatos Dourados: o caçador de talentos


Esteve em cena no auditório da Casa da Cultura de Santa Comba Dão entre os dias 22 e 25 de julho passados o musical O Homem dos Sapatos Dourados, uma produção da AMAD – Associação de Música e Artes do Dão em parceria com o Conservatório de Música e Artes do Dão – CMAD.

Este espetáculo, que marcou pela diferença e ao qual o publico não ficou indiferente, é o resultado do trabalho realizado pela classe de Teatro Musical em mais num ano letivo atípico, com períodos de trabalho à distância, e com mais distanciamentos, que resultaram na divisão da turma de cerca de 56 atores e músicos entre os 10 e os 18 anos em dois elencos com personalidade distinta, o que resultou na duplicação da magia em palco. A evolução artística e o crescimento humano de todos os alunos ficaram bem pautados em todas as suas intervenções e na forma acertada e cuidada como partilharam os talentos visíveis, os invisíveis e todas as emoções do texto.

O Homem dos Sapatos Dourados é um texto original da jovem e premiada escritora Ana Lázaro, tendo ficado a criação e direção musical sob a alçada do virtuoso Artur Guimarães, a coreografia entregue à talentosa Catarina Alves e a encenação ficou a cargo do desafiante Rafael Barreto. Este ano letivo, integraram ainda a equipa Tom Neiva na direção da orquestra e João A. Guimarães na direção vocal. Este espetáculo evidenciou-se ainda pela introdução de videomapping nos cenários, resultado do trabalho de David Duarte e Ricardo Silva. Destacou-se ainda o trabalho excelente de luz e som desenvolvidos por Marco Bento e Luís Matos, respetivamente. A cenografia foi desenvolvida por Pedro Silva e o design de figurinos por Cláudia Ribeiro. Todo este trabalho não seria possível sem a colaboração inesgotável de toda a equipa do CMAD: Augusta Gama, Carla Correia, Cláudia Matos, Elisabete Chaves, Filipe Santos, Mário Cruz, Nuno Carvalho, Pedro Carvalho e Sílvio Simões.

O projeto do Teatro Musical levado a cabo pela AMAD e pelo CMAD tem o apoio imprescindível do Município de Santa Comba Dão e de todas as famílias que escolheram este projeto para enriquecer o percurso formativo dos seus jovens artistas. Apenas com o apoio, a todos os níveis, das famílias é possível potenciar o talento dos participantes.

O Homem dos Sapatos Dourados foi um desafio, baseado no conceito da obra The Music Man de Meredith Wilson, lançado pelo eterno apaixonado (caçador de talentos) e mentor do projeto do CMAD – Fernando Paulo Gomes que, se não fosse a pandemia, já teria sido levado a palco em 2020. Este eterno apaixonado, com a sua paixão, deixou no CMAD o desejo de ver mais e melhor, de ver para além daquilo que os olhos são capazes de ver.

Reza a história que o Homem dos Sapatos Dourados percorre o planeta em busca de um talento merecedor da última vaga da sua Grande Coleção - " maior e mais extraordinária Coleção do mundo". Até que a busca por uma peça que faça brilhar o seu coração desfeito pela partida da amada, o leva à vila de Blue e dos seus amigos...

Já crescida, é Blue que narra e recorda a memória [e a essência] desses dias mágicos, dos momentos que mudaram a sua vida para sempre.

Rodeada pela tia Afias e pelos seus três amigos - todos detentores de um talento especial - Blue era o elo de ligação entre todos, tal poeira das estrelas, que ligava pontos distantes na galáxia. Foi Blue que incentivou os amigos a ganhar coragem e apresentar os seus talentos ao Homem dos Sapatos Dourados. Foi, também, a menina que conseguiu que as pessoas da vila revelassem talentos e vontades escondidas. Foi ainda Blue que fez com que até mesmo os céticos participassem num desfile, que envolveu praticamente todos os habitantes, mesmo aqueles que não tinham qualquer talento, mas que queriam - também eles - sentir a luz quente e acolhedora de um palco que os fazia sentirem-se acompanhados.

Todavia e apesar de reconhecer a excelência dos muitos talentos que desfilaram pela praça da vila, o Homem dos Sapatos Dourados não os considerou merecedores de preencherem a última vaga da sua coleção. E face ao desalento, foi também Blue, que - num momento de arrojo e coragem - mostrou a verdadeira "essência" de uma vendedora chamada Flores, que havia deixado de falar depois de ter perdido os pais, mas que cuidava tão bem da sua irmã como das flores que vendia. E, perante o Guardador de Talentos e toda a vila, Flores revelou a sua voz, num momento envolvente, intimista e bastante emotivo. Mas, por mais extraordinário que fosse este talento, o Guardador de Sonhos insistia em deixar a aldeia para voltar a largar as suas pegadas pelo mundo, à procura de uma última peça para a sua coleção.

Até que este excêntrico - também ele com o coração partido - deu uma oportunidade ao presente. Convencido por Blue, que lhe mostrou o pião da tia Afias, o Homem dos Sapatos Dourados largou o fio que o prendia ao passado e ficou naquela vila repleta de pessoas brilhantes e talentosas, com um talento que, além do saber fazer, residia, sobretudo, no saber ser e sentir. Mas, o pião, tal como o mundo, não parava de rodar e havia talentos a descobrir... desta feita pela pequena Blue. Também e sempre ela - com o talento de ver o melhor nos outros e de os fazer acreditar em si mesmos - passou a envergar a capa dourada do Guardador de Talentos e a correr o mundo, levando os outros a confiar em si mesmos.