Uma noite emotiva e envolvente com o Quarteto de Cordas de Matosinhos

A Casa da Cultura recebeu, no passado sábado, 29 de outubro, o Quarteto de Cordas de Matosinhos para um concerto há muito aguardado pela organização e o público do Festival de Música e Artes do Dão. Uma assistência interessada e atenta não quis deixar passar a oportunidade de ver ao vivo uma das melhores e mais premiadas formações de música erudita do país, escolhida em 2014/15, como uma dos ECHO Rising Stars.


Em palco, aconteceu uma emotiva e envolvente partilha de “dois momentos cruciais da história da música”, traduzidos numa memorável interpretação de duas peças marcantes de Joseph Haydn e Edvard Grieg, pelos músicos Vítor Vieira e Juan Maggiorani (violinos), Jorge Alves (viola) e Marco Pereira (violoncelo).


Assistiu-se como que à transformação do auditório num espaço intimista - quase sacro – com o público a ser conduzido pelas sonoridades diversas, mas igualmente estimulantes, de duas obras emblemáticas dos sécs. XVIII e XIX.

O recital foi aberto, com 'Quarteto de Cordas em Fá Maior op. 17. n.º 2', do celebrado compositor Joseph Haydn – o pai dos quartetos de cordas e da sinfonia clássica. Uma “obra desafiante”, “escrita para os talentosos músicos que [Haydn] tinha ao seu dispor quando servia a corte da família Esterházi, na Áustria do século XVIII”.

Cem anos mais tarde, Edvard Grieg escreveria o 'Quarteto de Cordas em Sol menor op. 27' - composição aclamada pelo público, mas que dividiu os críticos contemporâneos. Classificada, como “intrigante” por muitos, outros houve como o compositor Franz Liszt que lhe teceram amplos elogios. É vista, atualmente, como uma das mais notáveis composições de música de câmara do séc. XIX, estabelecendo um elo entre o Romantismo e o Impressionismo.

Dois marcos musicais relevantes que ganharam vida na interpretação da formação de Matosinhos, que além de se dedicar à divulgação de obras eruditas e clássicas, assume ainda um forte compromisso com reportório português para quarteto de cordas, “interpretando muitas obras menos conhecidas e abraçando novas obras de compositores contemporâneos”.

Extra programa e após uma receção calorosa e entusiástica por parte de uma audiência eclética e muito jovem, fica o registo da partilha do andamento 'Chula' da obra 'Contrafacção Folclórica', do compositor português Telmo Marques.