‘Ventos Americanos’ trazem a Banda Sinfónica Portuguesa a Santa Comba Dão

Da sonoridade quase etérea de Cloudburst de Eric Whitacre, até aos ritmos citadinos que emanam da Sinfonia n.º 3 de Franco Cesarini, o concerto “Ventos Americanos” da Banda Sinfónica Portuguesa teve como ponto alto a apresentação da obra Reflets pelo seu compositor - o reconhecido e virtuoso saxofonista francês Vincent David.

Numa partilha espantosa, David revelou todo um novo universo de possibilidades técnicas e musicais do saxofone, numa interpretação profundamente marcante, que quebrou barreiras e abriu horizontes.

Foi um privilégio ouvir e sentir a música deste intérprete genial - uma das figuras de proa da sua geração - que partilhou com os músicos da Banda Sinfónica Portuguesa (BSP) uma obra singular, escrita para saxofone alto e orquestra.

Dirigida pelo maestro espanhol convidado José R. Pascual Vilaplana, a BSP operou nesta apresentação de “Ventos Americanos” o efeito de uma banda sonora da liberdade, decalcando uma sensação de mudança, de conquista e de estado pleno, rompendo com convenções e criando novos paradigmas.


Do destacado compositor americano Eric Whitacre, notabilizado na escrita de música coral, a obra Cloudburst deu início a um programa, que trouxe ao público da Casa da Cultura mais dois compositores europeus, em cujas peças se encontram reminiscências da música americana.


Além do solista e compositor Vincent David, fica o destaque para a estreia nacional da Sinfonia n.º 3 Urban Landscapes - um retrato musical da metrópole norte-americana do compositor suíço Franco Cesarini. Na sinopse do espetáculo, pode ler-se que “nela podem escutar-se os sons da vida citadina: carros que passam, portas do metro que se abrem e até melodias de um clube de jazz perdidas na noite…”


Extra programa foi ainda partilhado um tema colombiano de celebração, de festa - um retrato ritmado da alegria de viver. Uma música através da qual o maestro Vilaplana lembrou e celebrou o Plano Nacional da Música para a Convivência, implementado há mais de vinte anos, na Colômbia. Um plano que de acordo com o maestro tem permitido a muitas crianças, provenientes de contextos sociais difíceis, aprenderem música e prosseguirem os seus estudos e sonhos.