Alunos do Conservatório brilham em concerto com a Orquestra Filarmonia das Beiras

A noite de 11 de junho foi de celebração do ensino artístico propiciado pelo Conservatório de Música e Artes do Dão (CMAD) e de uma parceria histórica, que soma dez anos. Há já uma década, que um grupo de jovens talentos CMAD é selecionado para integrar o estágio de uma semana na Orquestra Filarmonia da Beiras. A ‘Fundação Lapa do Lobo’ é, desde sempre, o mecenas responsável pelo financiamento de toda esta aventura de conhecimento - propiciadora de novas experiências musicais e artísticas. A Fundação patrocina quer o estágio, quer o concerto final, que também conta com os apoios da Direção-Geral das Artes (DGArtes) e do Município de Santa Comba Dão.


Este ano atingiu-se um número histórico de participantes. Foram 21 os alunos que, após uma seleção criteriosa, viveram uma experiência intensa e transformadora, com a oportunidade singular de tocar e aprender com músicos profissionais de uma orquestra de referência, o que veio a enriquecer amplamente os horizontes académicos e performativos destes jovens.


Em pleno concerto na Casa da Cultura de Santa Comba Dão – com a sala repleta de um público generoso e sensível - estes talentos integraram o corpo orquestral, dirigido pelo maestro convidado Luís Carvalho. E em palco, fizeram acontecer momentos únicos de excelência, emoção e fruição artística.


Nota de destaque para os quatro alunos CMAD, que se distinguiram entre o grupo selecionado, vencendo o prémio Jovens Solistas da Fundação Lapa do Lobo. Além da participação na orquestra, estes jovens também se apresentaram a solo – numa aliança entre brilhantismo e paixão – naquele que foi um dos momentos mais intensos deste espetáculo


O trompetista Rodrigo Santos, vencedor do 1.º prémio dos Jovens Solistas partilhou a interpretação de ‘Proclamation para Trompete solo e Orquestra’ de Ernest Block. Coube à clarinetista Maria João Silva Maria João Silva, o solo de ‘Dance Preludes - 1º, 2º e 5º Andamentos para Clarinete solo e Orquestra’ de Witold Lutoslawsk.


O terceiro prémi